RELEV NCIA DA PRESENÇA DE JUDEUS NA CONSTRUÇÃO DO BRASIL

05/04/2022


Escrito por: Iara Barros Sales dos Santos


Você sabia que a presença de judeus na colonização do nosso Brasil trouxe grande impacto na sua construção?

Você conhece com clareza a relevância desta tão especial presença na construção do Brasil?

Então, querido leitor, neste momento convido-lhe a conhecer três eventos que fazem a presença de judeus aqui no Brasil muito importante!

1 - Os judeus foram instrumentos no crescimento econômico do Brasil colonial

Isso mesmo! Por volta de 1503 a 1530 uma grande quantidade de cristãos-novos veio para o Brasil para auxiliar na colonização.

No entanto, mais precisamente desde a década de 1530 os judeus emigraram para cá, especialmente fugindo das perseguições da Santa Inquisição e não mais somente por conta da ocasião favorável encontrada na colônia.

Na história nos deparamos com um judeu português convertido ao catolicismo (cristão-novo), chamado Fernão de Noronha, que liderou uma agregação de cristãos-novos na exploração e comercialização do pau-brasil.

Posteriormente, foram instituídos os primeiros engenhos, visto que Fernão de Noronha transportou para cá o plantio de cana-de-açúcar de duas ilhas: São Tomé e Madeira.

No que se refere a ouro e pedras preciosas, destaca-se o cristão-novo chamado Bernardo da Fonseca Lobo, que identificou os primeiros diamantes.

Portanto, os judeus tiveram um envolvimento direto, efetivo e importante em todas as etapas econômicas do Brasil colônia.

2 - Os judeus estão entre os primeiros colaboradores na medicina em solo brasileiro

Acredite! É isso mesmo! Os judeus contribuíram muito na medicina!

Entre os exilados, chegou aqui o cristão-novo Jorge de Valadares, um dos membros da escolta do primeiro governador geral do Brasil colonial, Tomé de Souza. Ele foi o primeiro profissional habilitado a pôr em atividade a medicina aqui no Brasil.

Há outro cristão-novo boticário (manipulador e produtor de medicamentos), Diogo de Castro, transportado para cá por Tomé de Souza. Ele é considerado o primeiro boticário no Brasil.

Na escolta do governador D. Duarte da Costa veio o cristão-novo licenciado em medicina, Jorge Fernandes e exerceu o cargo de físico-mor (mais importante médico da corte) em Salvador.

Evidencia-se também um mestre Pedro que foi nomeado cirurgião para a capital do novo Estado.

Sobressai-se igualmente o mestre cristão-novo Afonso Mendes, que recebeu o título de "Cirurgião-mor das partes do Brasil". Este serviu no governo de Mem de Sá, desempenhando a função de primeiro cirurgião da Colônia.

Destaca-se ainda outro médico de ascendência judaica, chamado José Serrão. Ele chegou aqui no Brasil em 1591, com o fim de prestar assistência como cirurgião-mor "na administração do governo de D. Francisco de Souza" (Bella Herson, 2012, p. 1).

Sem nenhuma sombra de dúvida os judeus foram muito eficazes, úteis e importantes para a medicina durante o Brasil colonial!

3 - Os judeus nos deram uma contribuição cultural

Os cristãos-novos naturalmente nos deixou um legado, contribuindo com a formação cultural do Brasil.

Então, veja a colaboração dos judeus no quesito cultura em dois aspectos: na literatura e nos costumes e hábitos.


Contribuição na literatura

Nesta ocasião, veja três nomes que se destacam:

  • Bento Teixeira (1561-1618): nasceu em Portugal em 1561 e era filho de cristãos-novos. Ele, juntamente com a sua família, deslocou-se para o Brasil colônia em 1567 e abrigaram-se na Capitania do Espírito Santo.


Foi poeta que deu um marco inicial ao Barroco brasileiro com o poema "Prosopopeia" que foi publicado em 1601.


Sabe em que contexto Bento Teixeira produziu essa obra?

Pois bem! Denunciado pela esposa que o acusara de ser judeu e renunciar as práticas cristãs, foi perseguido pelo Santo Ofício.

Em 1589 foi julgado, mas absolvido. Porém, matou a sua mulher e na tentativa de fugir, foi preso, e enquanto esteve preso em Lisboa redigiu este extenso poema épico.


  • Ambrósio Fernandes Brandão (1555-1618): cristão-novo, nascido em 1555 em Portugal. Ele foi senhor de engenho e escritor português.

Perseguido pelo Santo Ofício fixou-se na Paraíba, lugar onde produziu a obra "Diálogo das Grandezas do Brasil" em 1618.

Na verdade não se tinha prova determinante da autoria de Ambrósio Fernandes Brandão a esta obra, porém grande parte dos pesquisadores concorda que foi ele o autêntico autor desse exemplar que, por sua vez, destaca a gênese dos índios brasileiros.

E lá vai uma curiosidade para você: a obra "Diálogo das grandezas do Brasil" foi a primeira obra de História Econômica do Brasil!

Esta é mais uma grande contribuição de um cristão-novo para a literatura brasileira!


  • Antônio José da Silva (1705-1739): nascido no Rio de Janeiro em 1705 era filho de pais judeus portugueses e senhores de engenho de imensa influência social.


Em 1711 seus pais foram presos pelo Santo Ofício por conta de denúncias de práticas judaicas.


Contudo, Antônio José da Silva estudou na Universidade de Coimbra e se tornou o dramaturgo mais relevante da primeira metade do século XVIII.

Entre as suas obras, podemos destacar as óperas: "Vida de D. Quixote de la Mancha; Vida de Esopo; Os Encantos de Medeia; Anfitrião, Júpiter, e Alcmena; e Guerras de Alecrim e Manjerona" (Musica Brasilis, 2015, p. 1).


Sua contribuição foi grande! Contudo, sabe como foi o seu triste fim? Foi condenado à morte na fogueira pela Inquisição portuguesa em 1739.


Contribuição nos costumes e hábitos


Instalando-se aqui no Brasil, os cristãos-novos incorporaram alguns costumes e hábitos que ainda prevalecem em nossos dias.


Logo, conheça alguns desses costumes e hábitos e veja se pelo menos alguns deles lhe são comuns!


  • Passar a mão na cabeça: baseada na bênção judaica, o uso dessa expressão ganhou força!

Costumamos usá-la quando queremos demostrar que alguém está ignorando a falha de outra pessoa, deixando de repreendê-la.

  • Deus te crie: essa expressão é um legado de certa frase hebraica "Hayim Tovim" que pode ser traduzida como "boa vida".

Costuma-se pronunciar essa expressão após o espirro de alguém.

  • Varrer a casa da porta para dentro: em Minas Gerais este costume herdado pelos judeus é muito comum.


  • Judiar: esse termo significa maltratar, atormentar, e vem do período da Inquisição, em que os judeus eram perseguidos e maltratados pelo Santo Ofício.


  • A carapuça serve: expressão originária do período inquisitorial da Idade Média, em que os judeus tinham que usar chapéus com ponta para serem detectados.


  • Pedir a bênção aos pais ao sair e ao chegar em casa: essa tradição remonta à prática judaica referente a bênção sacerdotal bíblica, como por exemplo, no Shabate no Ano Novo, onde os pais abençoam os filhos.


  • Apontar para as estrelas faz crescer verrugas nos dedos: no período da Inquisição se contava isso para as crianças judias para que não fossem vistas e denunciadas.


Isso porque no judaísmo utiliza-se o calendário lunissolar e nas sextas-feiras as crianças ficavam esperando ansiosamente pelo surgimento da primeira estrela, pois apontava que o sábado (um dia sagrado para os judeus) havia chegado.


Esses são somente algumas tradições dos cristãos-novos que permeiam os nossos dias.


Sendo assim, podemos dizer com firmeza que os judeus nos deixaram um grande legado cultural que se faz presente em muitos dos nossos hábitos e costumes!

RECAPITULANDO - A RELEVÂNCIA DA PRESENÇA DE JUDEUS NA CONSTRUÇÃO DO BRASIL ESTÁ:


  • No crescimento econômico do Brasil, em que o cristão-novo Fernão de Noronha contribuiu fortemente na exploração e comercialização do pau-brasil e também transportou para cá o plantio de cana-de-açúcar.


Também o cristão-novo, Bernardo da Fonseca Lobo, identificou os primeiros diamantes.


  • Na forte colaboração na medicina em solo brasileiro, destacando os cristãos-novos: Jorge de Valadares, Diogo de Castro, Jorge Fernandes, Pedro, Afonso Mendes e José Ferrão.


  • Na formação cultural do Brasil, podendo destacar na literatura: Bento Teixeira, Ambrósio Fernandes Brandão e Antônio José da Silva (o Judeu).


  • Na formação cultural da nossa nação, nos deixando um legado nos costumes e hábitos.


Vemos que embora a Inquisição não tenha sido algo bom, e sim cruel, Deus permitiu que por meio deste Tribunal alguns do seu povo escolhido se instalasse aqui no Brasil.


A presença dos cristãos-novos, sem dúvida, foi essencial e marcante para a construção da nossa querida nação!

As contribuições dos judeus na construção do Brasil são incontestavelmente significativas!


BIBLIOGRAFIA

BELLA, Herson. Os primeiros médicos em solo brasileiro. Associação Brasileira dos Descendentes de Judeus da Inquisição, 2012. Disponível em: <https://anussim.org.br/os-primeiros-medicos-em-solo-brasileiro/>. Acesso em: 12 fev. 2021.

DICIONÁRIO MICHAELIS. Físico-mor. Disponível em: <https://michaelis.oul.com.br/palavra/noEq/f%ADsico-mor/>. Acesso em: 19 fev. 2021.

FRAZÃO, Dilva. Biografia de Bento Teixeira. e biografia, 2000. Disponível em: <https://www.ebiografia.com/bento_teixeira/>. Acesso em: 15 fev. 2021.

GLASMAN, Jane Bichmacher. Presença judaica na Língua Portuguesa - expressões e dizeres populares em português de origem cristã-nova ou marrana. Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos. Disponível em: <https://www.filologia.org.br/viiifelin/39.htm>. Acesso em: 17 fev. 2021.

GUIMARÃES, Marcelo Miranda. Os cristãos-novos foram os primeiros colonizadores do Brasil. Associação Brasileira dos Descendentes de Judeus da Inquisição, 2019. Disponível em: <https://anussim.org.br/os-cristaos-novos-foram-os-primeiros-colonizadores-do-brasil/>. Acesso em: 09 fev. 2021.

LEVY, Daniela; RIBEIRO, Eneida. Judeus na construção do Brasil. Associação Beneficente e Cultural. Universidade de São Paulo - núcleo de pesquisa Anita Novinsky. Concurso Fábio Dorf 2016.

LOTTENBRE, Cláudio. A contribuição judaica à medicina em São Paulo. Instituto Morashá de Cultura. 45 ed., 2004. Disponível em: <https://www.morasha.com.br/ciencias/a-contribuicao-judaica-a-medicina-em-sao-paulo.html>. Acesso em: 09 fev. 2021.

MUSICA Brasilis. Antônio José da Silva (o Judeu). Instituto Musica Brasilis, 2015. Disponível em: <https://musicabrasilis.org.br/compositores/antonio-jose-da-silva-o-judeu>. Acesso em: 15 fev. 2021.

PEREIRA, Paulo Roberto. Antônio José da Silva (2011. 68 pp). Academia Brasileira de Letras, 2020. Disponível em: <https://www.academia.org.br/publicacoes/antonio-jose-da-silva>. Acesso em: 15 fev. 2021.

SOARES, Rita Miranda. A influência dos Judeus "cristãos-novos" na cultura mineira. Associação Brasileira dos Descendentes de Judeus da Inquisição, 2012. Disponível em: <https://anussim.org.br/a-influencia-dos-judeus-cristaos-novos-na-cultura-mineira/>. Acesso em: 15 fev. 2021.

SOBREIRA, Caesar. Um olhar sobre o Brasil do século XVII. Revista Continente. Companhia Editora de Pernambuco, 2019. Disponível em: <https://www.revistacontinente.com,br/edicoes/221/um-olhar-sobre-o-brasil-do-seculo-xvii>. Acesso em: 16 fev. 2021.